Siloque – Tirando o Lixo

Letra “Siloque – Tirando o Lixo” Official Lyrics

Vai, levanta a mão e faz arminha
Cê tá no caminho certo de um país que não que caminha para frente
Nem vem com essas ideia que nóis pensa diferente
É sempre o memo papo, é foda o sem vergonha virar gente
É mais fácil virar crente e apoiar um mito
Joga toda sua culpa na costa de Cristo
É bom ficar atento, o bagulho tá sinistro
O lixo é violento e o pastor vira ministro
Cheio de veneno, escolhe o espelho como líder carniceiro
Comunismo, que piada, cеrto tava os cangaceiro
Eu pago o preço, que cagada colossal a sua
Quе segue o som desse berrante enquanto o barco afunda
Afunda, não, afundado já tamo, nós afoga
Ser brasileiro, nunca, nunca, nunca foi tão foda
Cê falhou, tá na cara, todo mundo percebeu
Todo mundo te avisou e todo mundo se fudeu

Alguns se arrependeram, alguns seguem mugindo
Alguém cerca a boiada que ela tá fugindo
É foda o sem vergonha virar gente
O excremento e o presidente. 2x

A culpa é da guerra, culpa da pandemia
A gente nunca erra, a culpa é da China
A culpa é da Rússia, é culpa dos petista
A gente sabe, a culpa é desses comunista
Minha tia que me disse, viu pelo zapzap
Eu sou patriota, não preciso dessa tecla sap
Se for States, Top, Tá liberado
Trump tava certo, o mundo tá errado
Sou cidadão de bem, cuidado, minha filha, eu…
Eu tenho o braço mais bombado dessa academia
Vou comprar uma arma, sou homem de família
Sou cidadão de bem, um brinde à covardia

E vai ralando com a boquinha na garrafa de cachaça
Aplaudindo essa milícia que concede essa desgraça
Não de graça, o preço é caro, tá na cara, todo mundo vê
Hey! “Mas a culpa é do patê”
Se cê se identifica, pó ficar sossegado
Você não só é racista, você também é um gado
É massa de manobra, estupidez de ponta
Estupefato, contra fatos, vive um faz-de conta
Cá entre nós, assuma logo que não bate as conta
Mas por favor, não me confunda com essa gente tonta
Que vai na onda do amigo que se acha rico
O tal do culto que na vida nunca leu um livro
Ou foi pro culto e ouviu as glórias de um pastor larápio
Nem percebeu que sua cabeça tava no cardápio
Nem percebeu que seu país se encontra em decadência
Mas eu que sou um zé ruela, sigo com a ciência

Alguns se arrependeram, alguns seguem mugindo
Alguém cerca a boiada que ela tá fugindo
É foda o sem vergonha virar gente
O excremento e o presidente. 2x

Quatro anos em apuro, entre armas no escuro
Os covardes reinvidicam sangue puro
Te pipoca, sobe o muro e depois brinda com lavagem
Os vermes tão matando e tão vibrando com a contagem
Tudo que é relinchado pelo lixo, o gado aplaude
Eu sinto lhe informar, mas esse mito é uma fraude
Cuidado que a boiada é ciumenta, selvagem flatulenta
Horda patriota, calhorda sanguinolenta
Nazi se identifica, estuprador também
Ontem era meu amigo, pra mim hoje é ninguém
E nem me olha desse jeito, com essa cara de velório
Jesus Cristo nunca foi seu bode expiatório

%d blogueiros gostam disto: